sons of man

23 Abr
23 Abril, 2017

O meu livro Sons of Man já está disponível para compra. É editado pela Black Scat Books; com prefácio de Mercie Pedro e Silva.

nota de lançamento

Esqueçam a Mona Lisa, o tema da pintura clássica de René Magritte, Le fils de l’homme (1964), foi transformado em um icónico everyman – forçado a enfrentar as forças da vida contemporânea.

O artista português Paulo Brito reanima a misteriosa figura numa série de colagens satíricas que não esquecerá em breve.

O futuro do Dada está aqui!

Clique aqui para o comprar (MagCould)


Após me pedirem uma solução de compra para residentes em Portugal informo que o pagamento pode ser feito por transferência bancária:
contacte para mais informações sons.of.man@outlook.pt

no smell

20 Out
20 Outubro, 2017

Um brincadeira inocente.

The most perfectly futile, the most sublime and absurd machines of all are of course: ourselves. We must embrace futility and absurdity. We must seize the machines that so wound us and make then part of us again, make love to hem, make them as magnificently ludicrous as ourselves. Then we, and they, will be whole again, and God will smile.

Mechagnosis by Douglas Thompson

platinum end #1 de tsugumi ohba e takeshi obata

18 Out
18 Outubro, 2017

Não posso dizer que gostei muito de Platinum End #1 de Tsugumi Ohba e Takeshi Obata. Acho que coloquei a fasquia demasiada alta depois Death Note.

A diferença entre as duas obras é muito bem resumida por Ian Wolf:

the central character [in Death Note] is a teenage boy fed up with life, who is guided by a supernatural force and given great power. Both leads seemingly find themselves on the path to becoming a deity. However, while Light Yagami uses his powers for diabolic ends, killing anyone he suspects of doing anything wrong while being observed by a shinigami, Mirai Kakehashi is guided by an apparently more benevolent force.

via wikipedia

Mas, apesar de não ficar entusiasmado, sendo como sou vou arriscar ler o segundo volume.

polina de bastien vivès

18 Out
18 Outubro, 2017

Que obra! Bastien Vivés oferece um álbum de grande qualidade.
Os desenho não são servidos em fogo-de-artifício; a razão porque funcionam tão bem com o texto.

Admirável. Um poema.

de lado – 0061

18 Out
18 Outubro, 2017

“Há regras. Muitas regras”, disse ela; e com muita pena nossa nunca são cumpridas.

4 3 2 1 de paul auster

16 Out
16 Outubro, 2017

Entre muitas outras leituras fui lendo calmamente esta obra.

Antes de mais, 4 3 2 1, é um livro pesadão de 872 páginas, mas que se lê bem; muito bem até.
Archie Ferguson, a personagem principal, tem a sua vida desdobrada em quatro caminhos. São, assim, apresentadas quatro vidas de Archie, temperadas com sexo, solidão, amor(es), tristeza, alegria, que divergem umas das outras devido a pequenos acontecimentos e escolhas. Mas logo se percebe que as pequenas escolhas se transformam em grandes mudanças.

Para ajudar na distinção da vida dos quatro Archie os capítulos são numerados da seguinte forma:
Archie I
1.1, 2.1, 3.1, 4.1, 5.1, 6.1, 7.1 – Fica-se a saber que Archie morre num incêndio em Rochester enquanto dormia.
Achie II
1.2, 2.2 – Archie morre com o impacto de um ramo na sua cabeça.
Archie III
1.3, 2.3, 3.3, 4.3, 5.3, 6.3 – Archie morre atropelado em Londres.
Archie IV
1.4, 2.4, 3.4, 4.4, 5.4, 6.4, 7.4 – e aqui tudo fica explicado ou talvez não…

Assim 4 3 2 1 é, naturalmente, a contagem decrescente para a morte de Archibald Isaac Ferguson (Archie Ferguson).
E descobre-se que o livro tem vários livros dentro de si. Não é apenas quatro em um, mas acima de tudo um em quatro.

É uma obra de grande fôlego. Narra, não apenas as vidas dos Archie, mas consegue-o envolver perfeitamente nas convulsões sociais dos EUA: a contracultura, o movimento dos direitos civis, o Black Power, a guerra do Vietname,  e os movimentos pró e contra, a importância do SDS, a ocupação da Universidade Columbia, em Nova York por estudantes,  a revolta em Newark, Nova Jersey, o assassinato de Martin Luther King e a onda de violência que se seguiu.

4 3 2 1 fala de filmes e de livros com uma paixão desmedida, ah! e também de música. Uma maravilha.

É um livro que merece ser lido com calma.

de lado – 0060

14 Out
14 Outubro, 2017

Como a estupidez não traz data de validade, para verificar a sua qualidade, coloque a pessoa dentro de uma piscina com 3 metros de profundidade. Se a pessoa for ao fundo, não está contaminada por salmonelas.

You are what you eat and drink and breathe, so what are we now, most of us? Carbon Monoxide, Lead, Fluoride, Monosodium Glutamate. Metal and ash and oil.

by Douglas Thompson from Sylvow

de lado – 0059

14 Out
14 Outubro, 2017

He’s a bad person in a good script.

de lado – 0058

14 Out
14 Outubro, 2017

Tentei pensar numa frase cheia de estilo para terminar o dia… aqui vai:
A mim anedotas fazem-me rir!