Tag Archive for: wikipedia

chelidae

21 Mai
21 Maio, 2011

Chelidae é uma família do grupo de quelônios (ordem testudinata), também chamada de cágados. O nome deriva das fezes do animal e sua cor levemente escura.

urze

21 Mar
21 Março, 2011

urze é o nome comum de diversas plantas da família ericaceae, particularmente dos géneros erica e calluna. são espontâneas em terrenos pobres em cal e com flores de cores diversas. as espécies existentes em portugal são muito comuns e encontram-se em todo o país, mas sobretudo nas montanhas de granito a norte de portugal.
# via wikipedia #

callistemon ou “limpa-garrafas”

24 Ago
24 Agosto, 2010

Ainda não tinha colocado aqui a foto desta flor porque não sabia o nome dela.
Em conversa com nico este disse-me que era designada por “limpa-garrafas” e milagre dos milagres ele tinha razão.

Bottlebrush (Callistemon) is a genus of 34 species of shrubs in the family Myrtaceae. The majority of Callistemon species are endemic to Australia; four species are also found in New Caledonia. They are commonly referred to as bottlebrushes because of their cylindrical, brush like flowers resembling a traditional bottle brush.

from wikipedia

o caracol

23 Mar
23 Março, 2010

Desde o dia 12.02.2010 que ando a tentar encontrar um caracol para fotografar.
Os mais atentos e que vão tendo a coragem de ler este blog deram conta que não foi apenas o endereço que mudou – o anterior era exilezone (agora tem apenas as minhas fotografias) – como o tema que lhe serve de suporte, mas de estar, igualmente, a utilizar fotografias da minha autoria; a excepção era a fotografia que ilustrava o post ídolos que tinha sido retirada da wikipedia e alterada no photoshop. Agora é uma fotografia do meu caracol! Sei que é um pormenor obsessivo, mas é obsessivamente pessoal.

caracol

outro caracol

Outra circunstância particular é o facto de as fotografias “trabalhadas” exclusivamente para o blog terem, quase sempre, um tom grunge.

Sem esquecer que de 980 entradas, apenas estão publicadas +/- 120. O motivo é não apenas a adaptação ao novo tema e usar assim as imensas fotografias que tenho por publicar e tratar, em alguns casos, digitalmente, como alguns textos – agora em novas categorias – estão a servir de “comida” a um projecto pessoal: possivelmente um livro, apenas com textos, ou com ilustrações, ou até com banda desenhada, porque entendo na minha modéstia que algumas histórias podem dar uma ou duas pranchas interessantes e só depois esses textos são republicados.

Este projecto é algo que desejo iniciar já à mais de 15 anos para gáudio pessoal e desta feita vai ser concluído nem que seja apenas com texto cru e nu. Este “livro” é apenas a ponta do icebergue de outras mudanças na minha vida, entre as quais destaco o regresso ao meu amado xadrez e à aquariofilia.

siddhartha

15 Nov
15 Novembro, 2009

– Siddhartha – disse -, tornámo-nos homens velhos. Dificilmente nos voltaremos a ver nesta forma. Vejo, querido amigo, que encontraste a paz. Reconheço que eu não a encontrei. Diz-me, Venerável, uma derradeira palavra, dá-me algo que eu possa compreender! Dá-me algo para o meu caminho. Ele é muitas vezes penoso, muitas vezes obscuro, Siddhartha.[1]

Um dos melhores livros que li nestes últimos 15 dias. São apenas 127 páginas, mas com uma profundidade poética, mística, humana incrível. Não admira que seja a obra mais conhecida de Herman Hesse. No final da leitura, após ter fechado o livro e pousar na mesinha de cabeceira, abateu-se sobre mim uma tristeza enorme, sufoquei em lágrimas. Ainda não estou curado, se é que estarei alguma vez, desta melancolia que continuamente se abate sobre mim e me faz pensar onde pára essa plenitude espiritual, essa paz interior que pensava possuir com 18 anos, mas que era, descobri depois, uma má-fé ao estilo sartreano. Serei outra vez feliz ou vivo à espera de relances muito ténues de felicidade?
Engraçado que em 2006 sofria do mesmo desalento. É crónico já o sei.

Apenas uma aparte…
A páginas tantas do “Siddhartha” lembrei-me da busca do Ser expressa com um toque de humor. Jean-Jacques Loup no seu álbum “Tempos Difíceis”, editado pelas Publicações Dom Quixote na colecção HUMOR com humor se paga, n.º 20, 1985, tem esta prancha apetitosa.

jean-jacques loup

jean-jacques loup

informações
pág. 125 [1]

a serpente de plumas

15 Nov
15 Novembro, 2009

Tivera já problemas difíceis de resolver, porém nenhum o manteve desperto a noite toda.[1]

Foi outro livro que não me convenceu, mas por motivos diferentes da obra de Rodrigo Guedes de Carvalho.

“A Serpente de Plumas” de Edgar Wallace editada em 1927 tem em Peter Dewin a personagem principal e quando não há empatia com ela o resultado é arrumar o livro sem apelo nem agravo.

informações
pág. 129 [1]

ameixas

21 Set
21 Setembro, 2009

ameixas

“Não gosto de ameixas.” era um frase dita com regularidade sempre que alguém me tentava oferecer umas para trincar.

Um deste dias, pelas 02.?? da manhã, quando comecei a sentir um “buraquinho” no lugar onde reside celestialmente a minha barriga desloquei-me pesaroso para a cozinha; ia desgostoso porque estava a fazer uma coisa bué de importante, tipo ler um livro, e ser perturbado por estas sensações é cansativo. Lá cheguei ao meu Olimpo gastronómico, vulgo cozinha, apesar de os últimos 15 centímetros, terem aumentado em proporção matemática a sensação de vazio estomacal; o pensamento da tigela de leite e cevada imbuída com dois pacotes de bolacha Maria foi o culpado. Desta vez não foi necessária a presença de alimento na boca, o simples pensamento de comer bastou para o início do processo de produção de suco gástrico.

O tabuleiro tinha mais de 50 ameixas amarelas; era um lindo amarelo. E como Stell [1] arrisquei uma trincadela.

stell

Reparei pelo canto do olho – tenho uma boa visão periférica – num tabuleiro cheio de ameixas.
[as ameixas fazem parte do género Prunus. “Prunus L. é um género botânico, geralmente arbóreo, mas que também pode ser arbustivo. Inclui as ameixeiras, cerejeiras, pessegueiros, damascos e amendoeiras.” (via wikipedia) E aqui temos mais um momento Discovery.]

Foi uma experiência tântrica. Foi uma epifania de sabores. Nessa trincadela encontrei um elo perdido da minha cadeia alimentar. Aquele instante foi de tal forma único e sobrenatural que o resultado foi o que se viu; um desbaste de ameixas.


[1] Stell, juntamente com Atan, é uma personagem do álbum Os Jardins de Edena (Les Jardins d’Edena) de Moebius publicado em 1988.

balearica regulorum

21 Ago
21 Agosto, 2009

the grey crowned crane (balearica regulorum) is a bird in the crane family gruidae. it occurs in dry savannah in africa south of the sahara, although it nests in somewhat wetter habitats. this animal does not migrate.

# via wikipedia #

hydrochoerus hydrochaeris

21 Ago
21 Agosto, 2009

encontrada em certas áreas das américas do sul e central, próximo a rios e lagos, a capivara (hydrochoerus hydrochaeris) é o maior roedor herbívoro do mundo. alimenta-se de capins e ervas, comuns em várzeas e alagados, e pode chegar a pesar até 80 kg.

# via wikipedia #

dolichotis patagonum

21 Ago
21 Agosto, 2009

mara (dolichotis patagonum) é um mamífero sul-americano da família caviidae. apresenta grande porte, tendo quase o dobro do tamanho de uma lebre européia adulta, chegando a pesar até oito quilos.

ainda que tenha o nome popular de lebre-patagônica é, na verdade, um parente distante das lebres.

# via wikipedia #

© 1999.2017 porta VIII. todos os direitos reservados. alimentado pelo wordpress | alojamento por oitava esfera